segunda-feira, 23 de fevereiro de 2015

Astronomy Picture of the Week: Crateras Escuras e Manchas Brilhantes Reveladas no Asteroide Ceres

Olá! Depois e uma semana ausente, cá estou eu, de volta do carnaval e finalmente de volta às aulas, que começam hoje. Nada melhor para começar com ritmo mais um ano na física (e eu espero que seja o penúltimo) do que um pouco de astronomia. 

Como não dá para ficar publicando todas as imagens do Astronomy Picture of the Day, vai a minha favorita da semana. Para essa escolhi uma imagem que parece borrada e desfocada. E de fato, apesar de ela não ser uma imagem linda, ela é muito mais bonita do que sua antecessora.

Para ver texto e imagem originais, clique aqui.

Tradução porca feita por mim:
"O que são essas manchas brilhantes no asteroide Ceres? Conforme a sonda espacial robótica Dawn (Amanhecer) se aproxima do maior asteroide do cinturão principal, o quebra-cabeça se complica. Novas imagens nítidas tiradas na última semana e divulgadas ontem (18 de Fevereiro) indicam, como esperado, que a maior parte da superfície do planeta anão Ceres é escura e cheia de crateras como nossa Lua e o planeta Mercúrio. Entretanto as novas imagens não indicam claramente a natureza das manchas brilhante embora muitas delas pareçam realmente existir. As manchas enigmáticas foram notadas primeiramente no Texas algumas semanas atrás durante a aproximação de Dawn. O mistério intrigante deverá ser resolvido rapidamente conforme Dawn continua a avançar em direção a Ceres, estando no cronograma para entrar em órbita no dia 6 de Março."

Como eu disse ali em cima, parece ser uma foto terrível, mas só a título de comparação, olha a imagem de Ceres que eu uso, aliás usava, nas minhas palestras no Observatório:


É uma grande diferença, e fico feliz quando estudam um pouco mais a fundo objetos conhecidos há muito tempo, como Ceres.

Ceres foi descoberto em 1801 e desde então já foi chamado de cometa, planeta, planeta anão e asteroide. Hoje ele é considerado um planeta anão, redondinho como os demais planetas, orbitando o Sol antes de qualquer outra coisa, mas possui sua órbita cheia de objetos que podem atrapalhar o seu caminho, neste caso o Cinturão Principal de Asteroides, localizado entre as órbitas de Marte e Júpiter. O mesmo acontece com Plutão, que quando eu era criança, era considerado um planeta, mas foi reclassificado após encontrarem objetos de dimensões comparáveis na região da sua órbita, hoje conhecida como Cinturão de Kuiper.


Nenhum comentário:

Postar um comentário